Voo Virtual
Olá, seja bem-vindo(a) ao Voo Virtual. Caso ainda não seja membro da nossa comunidade, registre-se, para que possa participar ativamente e ter acesso a todos os conteúdos do site.
Por favor leia as regras do fórum aqui antes de postar, para evitar advertências e suspensão.


[Brasil] Gol completa 15 anos, mas investidor não tem o que comemorar

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[Brasil] Gol completa 15 anos, mas investidor não tem o que comemorar

Mensagem por Amilckar em Sab 16 Jan 2016, 17:51

Gol completa 15 anos, mas investidor não tem o que comemorar



São Paulo – Na sexta-feira (15) a Gol completou 15 anos de voos pelo Brasil, mas o investidor que quiser embarcar no Boeing da companhia precisa apertar os cintos e torcer para que a turbulência chegue logo ao fim.

Em 2015 as ações da Gol (GOLL4) caíram 83,4%. No início deste ano, os papéis foram retirados da carteira do Ibovespa e desde então já caíram 49,6%. O valor de mercado da companhia, que chegou aos 13 bilhões de reais no segundo ano de negociações na BM&FBovespa, em 2005, hoje está próximo dos 450 milhões de reais.

E não são apenas os investidores brasileiros que fogem das ações da companhia aérea. As ADRs da empresa, que já foram negociadas na casa dos 39 dólares, hoje valem 29 centavos de dólares na Bolsa de Nova York (NYSE) e podem ser suspensas da bolsa norte-americana caso continuem cotadas em centavos.



A receita dessa tragédia é uma combinação de 60% de despesas em dólares (moeda que se valorizou 48% em 2015 ante o real) e cerca de 90% da receita em real. Acrescente a isso a desaceleração da economia brasileira e um cenário de competição cada vez mais acirrado entre as companhias aéreas.

Como se a situação já não fosse ruim o suficiente, nesta semana a International Accounting Standards Board (IFRS), instituição que define regras contábeis, determinou que as empresas agora precisam registrar as operações de leasing como dívida em seus balanços.

Para se ter uma ideia, os leasings da Gol chegaram a 7,5 bilhões de reais no terceiro trimestre do ano passado, um aumento de 55% em relação ao mesmo período de 2014. Se existe uma boa notícia nesta história é que a regra de incorporar o leasing às dívidas só vale a partir de 2019.

Os problemas são tantos que têm impactado diretamente as ações da Smiles, controlada da Gol.

Os efeitos para a Smiles

A visão da maioria dos analistas é que com forte geração de caixa e dívidas baixas, a Smiles poderia ser a ação dos sonhos dos investidores brasileiros, não fosse a Gol.

Os papéis da Smiles (SMLE3) caíram 21% em 2015 e já começaram 2016 com uma queda de 20,4%. “Nós recomendamos que investidores evitem as ações da Smiles no curto prazo, pelo menos até que (e se) a Gol melhorar suas operações”, avalia o analista Rogerio Araujo, em relatório recente do UBS.

Por mais que tenha anunciado uma série de parcerias com programas de fidelidade de outros países, analistas e investidores ainda veem a companhia fortemente atrelada à Gol.

Para exemplificar a ligação, o UBS calcula que, em caso de falência da companhia aérea, as ações da Smiles, que hoje são cotadas na bolsa a 26,23 reais, devem cair até os 8,60 reais.

Cortes no orçamento

Em uma teleconferência em novembro do ano passado, o presidente da Gol, Paulo Kakinoff, disse que o pior momento da companhia havia ficado para trás. "É completamente impossível cravarmos o cenário macroeconômico para o próximo ano, mas a nossa percepção é que a volatilidade vista em 2015 não se repetirá em 2016", disse

Na época, a Gol cortou o número de boeings novos em sua frota de 15 para apenas quatro entre 2016 e 2017. A empresa também congelou as vagas de funcionários e anunciou a redução de sua capacidade em 2016 em até 6%.

"A Gol provavelmente precisará fazer cortes adicionais em 2016 para evitar um consumo enorme de caixa", comentou Cristiane Spercel, analista sênior da Moody's, em relatório na época.

“Nas condições atuais do mercado, calculamos que a GOL queimará R$ 340 milhões por trimestre e precisará de outra capitalização no primeiro trimestre de 2017”, afirma o analista do UBS em relatório.

Fonte: Exame

_________________
Carlos Amilckar

Amilckar
Colaborador - Notícias de aviação
Colaborador - Notícias de aviação

Masculino
Inscrito em : 12/10/2009
Mensagens : 10849
Reputação : 494
Idade : 51
Simulador preferido : FSX
Emprego/lazer : Militar aposentado
Nacionalidade : Brasil

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum