Voo Virtual
Olá, seja bem-vindo(a) ao Voo Virtual. Caso ainda não seja membro da nossa comunidade, registre-se, para que possa participar ativamente e ter acesso a todos os conteúdos do site.
Por favor leia as regras do fórum aqui antes de postar, para evitar advertências e suspensão.


Mercenários Brasileiros na República Dominicana

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Mercenários Brasileiros na República Dominicana

Mensagem por harmach em Dom 21 Jul 2013, 03:11

Mercenários Brasileiros na República Dominicana

Esta história parece ter sido contada apenas uma vez. A Revista Força Aérea a registrou e o site do Clube Virtual dos Militares da Reserva e Reformados da Aeronáutica a reproduziu. Faço aqui breve resumo, no intuito de divulgá-la. Fontes no final do texto.

Fonte: http://1000tao.blogspot.com.br/2013_06_09_archive.html

A República Dominicana é um país Caribenho que ocupa dois terços da Ilha de São Domingos. O restante da ilha é ocupada pelo Haiti. Tanto pelo tamanho de área quanto pela quantidade populacional, é o segundo maior país do Caribe, ficando atrás somente de Cuba, com uma área de 48.442 km2 e uma população aproximada de 10 milhões de habitantes. 


Sofreu por três séculos de dominação espanhola, francesa e haitiana, alcançou a independência e foi dominada diversas vezes, e só conseguiu prosperidade econômica e independência com o presidente Felipe Horacio Vásquez Lajara (1924-1930), mas em seguida entra numa sanguinária ditadura, comandada por Rafael Leonidas Trujillo Molina até 1961, quando este é assassinado.



Foi entre 1948 e 1950 que pilotos brasileiros, treinados nos EUA para combaterem na Segunda Grande Guerra, vão integrar as forças militares de Trujillo, como instrutores mercenários. Havia uma grande possibilidade de uma tentativa de golpe para tomar o poder, orquestrada por revoltosos que haviam deixado o país, descontentes com a ditadura imposta.


Treinados pela Força Aérea dos Estados Unidos, vários jovens ficaram sem emprego após o fim das hostilidades na Europa. Voltaram para o Brasil desempregados, visto que a maioria não foi incorporada a Força Aérea Brasileira. Muitos nem chegaram a voar na Guerra, o que causou ainda mais decepção, após superarem um duro e rígido treinamento.  

Três P51 Mustang pilotados por brasileiros em interceptação a B-29 da Força Aérea do Estados Unidos.
Desempregados e sem perspectivas de voarem, receberam com muito entusiasmo o convite para se tornarem pilotos e instrutores na República Dominicana. Ainda mais sabendo que poderiam voar os tão sonhados P-51Mustang e o P-38Lightning. Nenhum deles sequer tinha ouvido falar de Trujillo e dos horrores de sua ditadura.
Tornaram-se líderes de grupo de um esquadrão de aeronaves AT-6, utilizadas na instrução. Os brasileiros voavam como líderes de grupos de quatro aeronaves, identificados com ás, 2, 3 e 4 de copas, ouro, paus e espada. Em missões de patrulha voavam os P51 e P38.

Instrutores brasileiros junto a um P-38.
 
Usavam uniformes sem insígnias, mas tinham status de oficial. Tinham como missão principal o treinamento dos pilotos da Força Aérea Dominicana, mas também entrar em ação no caso de um ataque.
A manutenção das aeronaves era precária. Uma economia no fluído de refrigeração de um dos motores acabou por causar um superaquecimento, quase derrubando um P-38 conduzido por um brasileiro.


Apesar de todas as dificuldades enfrentadas pela Força Aérea dominicana, conseguiram impedir duas tentativas de tomada do poder. Em grande parte, essas vitórias se devem ao treinamento dispensado aos pilotos da FAD pelos instrutores brasileiros.


Um desses casos é contado por um dos pilotos:

O P-51Mustang foi se aproximando da enseada. O caça tinha sido enviado para aquela parte da costa para investigar a presença de algum avião intruso e reportar o fato à base. O piloto avistou algo e baixou para 50 metros a fim de ver melhor o que parecia ser um hidroavião pousado em um lago. Chegando mais perto, ele viu um PBY Catalina pousado na água, com algumas pessoas em um bote se dirigindo a ele. Ao lado havia uma pista de pouso na qual se podia perceber outra aeronave, um cargueiro C-46.
Curiosamente, os dois aviões eram inteiramente brancos, e aparentemente não tinham nenhuma marca de identificação – nem matrícula, nem as cores de alguma força aérea. O Curtiss C-46 Commando é um avião bojudo. O Catalina é um avião fácil de ser identificado, com uma grande e larga asa alta, uma torre de metralhadora no nariz e duas enormes bolhas laterais na fuselagem, abrigando uma metralhadora cada.
De repente, o piloto viu que a metralhadora da bolha direita abriu fogo, e o alvo era ele! Foi tudo muito rápido e as balas não acertaram o seu P-51. O piloto fez um círculo apertado e voltou para uma nova passagem sobre aquele avião intruso e nada amistoso. Estava com raiva, pois nunca tinham atirado para valer contra ele. Sua reação foi instintiva. Na segunda passagem, chegou disparando. Desta vez ele foi alvejado pelas duas bolhas do Catalina. Fez uma rajada de quatro segundos com as metralhadoras .50 do seu Mustang. Acertou no motor esquerdo do Catalina e o viu explodir. 
Enquanto isso, o C-46 levantava voo apressadamente. Não adiantou. O P-51 logo alcançou o segundo intruso, mas não atacou o alvo indefeso. Preferiu escoltá-lo para fora do espaço aéreo do país. Chegou a ficar a dez metros de distância do avião-transporte, mas não atirou. Por que? “Ele não me fez nada”, responde o piloto, em uma entrevista quase 50 anos depois. O Catalina teve azar. Só foi destruído porque um de seus tripulantes ficou nervoso e disparou contra o P-51. “Se eles não tivessem atirado, tinha deixado eles em paz”, continua o piloto. “Essa briga não era minha”.





Texto retirado das páginas da Revista Força Aérea.

_________________
Machado
IVAO VID 166553 VATSIM 880797

TAM Virtual (LATAMv Brasil) TAM3104 (CEO e Fundador) VPA VPA234 (Pilot) British Airways VA - BAW562 (Captain) American Virtual Airliners - AAL827 (CAT IV Senior Captain)

TAM Virtual (LATAMv Brasil) - tá chegando
avatar
harmach
Coronel
Coronel

Masculino
Inscrito em : 29/01/2011
Mensagens : 1361
Reputação : 118
Idade : 42
Simulador preferido : P3D / FSX
Emprego/lazer : Professor
Nacionalidade : Brasil

http://www.tamvirtual.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum