Voo Virtual
Olá, seja bem-vindo(a) ao Voo Virtual. Caso ainda não seja membro da nossa comunidade, registre-se, para que possa participar ativamente e ter acesso a todos os conteúdos do site.
Por favor leia as regras do fórum aqui antes de postar, para evitar advertências e suspensão.


[Internacional]Pássaros aprendem 'truque' para evitar concorrência de ruído dos aviões

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[Internacional]Pássaros aprendem 'truque' para evitar concorrência de ruído dos aviões

Mensagem por Amilckar em Sab 13 Dez 2014, 09:38

Pássaros aprendem 'truque' para evitar concorrência de ruído dos aviões


Estudo revela que ruído de aeronaves está obrigando aves a alterar seus horários de canto para não prejudicar a sua comunicação e até acasalamento.

Nada como despertar com o canto dos pássaros.
Mas para quem vive perto de aeroportos, vale dar uma conferida no relógio antes de pular da cama: um estudo do Museu Nacional de Ciências Naturais da Espanha descobriu que aves vivendo nos arredores de terminais de aviação cantam mais cedo que o habitual - antes dos horários de maior tráfego aéreo -, para se fazerem ouvir.
"O nível de ruído produzido pelas decolagens impede que as aves se comuniquem. Isso dificulta sua forma de viver, de acasalamento e de defender seu território", disse à BBC o zoólogo Diego Gil, principal autor do estudo, publicado na revista científica britânica "Behavioural Ecology", da Universidade de Oxford.
"Constatamos que, como a atividade normal dos aeroportos começa às 6h, os pássaros adiantam sua hora normal de canto para evitar que sejam abafados pelo som dos aviões."
Este adiantamento ocorreu em todas as dez espécies de pássaros estudadas nos arredores de aeroportos espanhóis e alemães. Em média, este tempo foi de 20 minutos - mas variou de acordo com cada espécie de ave.
O cuco, por exemplo, normalmente começa a cantar 20 minutos antes do amanhecer, mas no aeroporto de Barajas, em Madri, "abre o bico" quase uma hora antes. Já o chapim-azul e o pintassilgo se adiantam em meia hora.

O cuco foi um dos pássaros mais afetados pelo ruído dos aviões: nos locais
estudados começou a cantar até uma hora mais cedo que o normal
 

Predadores alertados

O horário de canto das aves está relacionado ao tamanho dos seus olhos. Quanto maiores, mais cedo começam a cantar, pois precisam de menos luz para desenvolver suas atividades.
"As aves cujos cantos coincidem com a partida dos voos adiantam mais, algo que os pássaros que normalmente cantam mais cedo não precisam fazer", acrescenta Gil.
Segundo o estudo, as mudanças de horários demonstram a capacidade das aves de se adaptar ao meio-ambiente e sobreviver em zonas extremamente ruidosas.
À primeira vista, cantar mais cedo pode ser uma vantagem, pois permite uma comunicação que de outra maneira seria impossível.
Mas também há grandes desvantagens.
"O tempo que as aves passam cantando é tempo em que deixam de se alimentar", afirma Gil.
"Se o equilíbrio é afetado, possivelmente as aves têm de se alimentar em horas em que, por exemplo, pode haver menos comida. Isso também pode significar que elas tenham que dormir menos."
Gil também suspeita que o canto adiantado possa ameaçar a seguranca das aves.
"Ainda não conseguimos comprovar, mas a lógica sugere que quanto mais as aves cantem no escuro, mais vulneráveis fiquem a predadores noturnos que têm dificuldade para detectar", especula.

Calendário

O aeroporto de Barajas, em Madri, foi um dos locais estudados pelos
pesquisadores do Museu de Ciências Naturais da Espanha

Os pesquisadores da equipe do Museu Nacional também tiveram a preocupação de observar as aves nos fins de semana, período em que a frequência de voos é menor.
"Não notamos diferença", disse Gil. "É possivel que essas populações tenham alterado seus padrões de canto de forma permanente."
Mas se o ruído afeta tanto a rotina das aves e pode torná-las mais vulneráveis, porque elas não voam para outro lugar?
"É muito difícil para um pássaro mudar de lugar. O normal é que houvesse menos aves em lugares assim (como os arredores de aeroportos), mas descobrimos que, surpreendentemente, não há diferença nem na variedade nem no número de espécies", explica Gil.
"Queremos ver agora se as aves que aguentam essas condições são aquelas que não têm como competir por territórios melhores."
Fonte: Laura Plitt (BBC Mundo) via G1 - Imagens: Reprodução
Via: viationnews

_________________
Carlos Amilckar

Amilckar
Colaborador - Notícias de aviação
Colaborador - Notícias de aviação

Masculino
Inscrito em : 12/10/2009
Mensagens : 10849
Reputação : 494
Idade : 51
Simulador preferido : FSX
Emprego/lazer : Militar aposentado
Nacionalidade : Brasil

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum